Tive algumas tentativas de namoro com pessoas mais novas, que estão na fase “Malhação” de ser e viver.

        Essa fase significa que, pode-se fazer o que quiser, com quem quiser, pois você é jovem e ainda não tem responsabilidades. Segue exemplo:

        A fulana namora com o fulano. A fulana não fala, mas é apaixonada pelo cicrano. O cicrano, por sua vez, é namorado do um, que é gay. O fulano descobre que sua namorada fulana, transou com o cicrano. O fulano agride o cicrano e vai beber. Bate o carro. Se apaixona pela enfermeira e transa com ela. A fulana descobre. Chora. Chora porque descobriu que realmente gosta do fulano. Mas o fulano não sabia que não gostava dela. E isso vai longe…

        Alguns relacionamentos terminaram justamente por eu não me incluir mais nesse mundo que gira ao contrário, que onde errar é acertivo.

        Algumas vezes, amigas de 20 anos sumpreendem pelo alto senso moral. Outras, surpreendem por achar bonito ser diferente. Na verdade, a grande onda hoje “é ser” diferente.

        Fazer faculdade, na visão mundana, não é ter uma profissão. É fazer o que quiser, porque faculdade é período de errar, beber, transar desenfreadamente. Mas é fase né…

        Não estou dizendo que não agi assim. Até hoje (e espero que por toda a vida) tenho a vida sexual ativa. Mas a vontade de ser feliz e casar, ainda existe em mim, e em mais meia dúzia de pessoas.

        Cansei de namoradas vomitando de tão bebadas, namoradas bebadas por qualquer comemoração; Cansei de ver amigos inpulsionarem as meninas a serem tão alcolatras.

        Mas entendo que a vida tem fases, e o mundo sempre gira no mesmo sentido, e a sociedade sempre vai impor falsas verdades ao mundo juvenil.

        Bom, agora vou correndo ver a novela, porque hoje é quando a fulana bebeu com os amigos e acabou transando sem camisinha com 3 deles e agora esta grávida, e o seu namorado estava em casa dormindo, esperando o dia seguinte para comemorar o aniversário de namoro, que para ele é o mais fiel que pensou ter.

Que lindo né?

Rodrigo Bianchini.