Quando gozamos, pensamos atingir um inigualável prazer corpóreo. Mas na verdade, sentimos o corpo estremecer, e algo ser expelido do corpo, acompanhado de um, algumas vezes, sonoro gemido.

        No aconchego do lar, homens e mulheres sentem a necessidade do “orgasmo”. Aí entra uma confusão de sensações. O que busca-se no “sexo sozinho” é basicamente o prazer, a satisfação de uma sensação de alívio e relaxamento.

        Tenho amigas que dizem não se masturbarem, outras que assumidamente colocam seus dedinhos em movimento para atingir novos patamares de prazer. Digo isso, porque já ouvi que “os melhores orgasmos eu tive comigo mesmo”. E isso não é errado dizer.

        A mulher tem diversos pontos a serem tocados, formas de penetração, mãos que acariciam. O homem restringem-se ao simples fato de serrar o punho em volta de seu membro, e em movimento frenético, sentir o prazer gerado pela sua mente sexualmente ativa.

        Porque mulheres evitam se tocar algumas vezes? Por criação, pela sociedade, pelo medo, pelo destempero sexual… Mas na verdade a mulher atinge sim o orgasmo, diferente do homem, que apenas goza.

        A mulher não busca sentir apenas um liquido quente escorrer em suas pernas, ela busca uma satizfação mental e pessoal que nenhum homem poderá sentir. E vice versa.

        Eu mesmo, quando me masturbo, penso no que quero, com a mulher que quero, mas não posso fazer quando quero. A mulher, em qualquer momento, atingi níveis prazerosos com quem quer, e o mais importante, “quando” quer.

        Eu tive orgasmos sim, mas que poderão ser citados em outras crônicas.

        Então, homens: Fechem os olhos e pensem na Atriz do momento, ou na vizinha gostosa. Gozem e sigam.

        Mulheres: Fechem os olhos. Sintam-se tocadas por que a ama, sinta a mão percorrer em seus lindos e sedosos pêlos, em suas pernas trêmulas. Abuse do beijo molhado, lento, com saliva quente viscosa de prazer. Sinta arrepiar o mais escondido cabelo de corpo, aproveite a sensação de penetração sem penetração. Toque seus pontos e aperte seus seios. Goze. E continue gozando.

        Confesso que falar sobre prazeres é algo que adoro. Ainda mais quando posso discorrer gradativamente sobre isso.

        Quem sabe estarei no Jô Soares um dia, falando sobre isso?

Rodrigo Bianchini