Quem de você leitores NUNCA quis saber sobre o que seu parceiro (a) esta pensando?

        A lembrança alheia na verdade é algo que nós, não participantes dessa lembrança, gostaríamos de entender. Entender o porque coisas foram feitas, como quão fácil foi tomar uma atitude no passado, errar o passo e permanecer errando… julgamos as pessoas como deveríamos NOS julgar.

        A verdade é que nunca nos julgamos, pois para nós, ninguém se importa com a nossa lembrança (alheia aos outros). Seguimos pensando, lembrando, sentindo a dor que passou, lembrando situações, fatos, atitudes e pessoas, que nos causaram mal e tristezas, e nos damos o único direito de lembrar sozinhos e chorar por isso.

        Alguns levam a lembrança alheia a sério demais (meu caso); Para terem idéia, se alguma namorada disser que já namorou algum cara chamado Rodrigo, eu já termino a relação.

        Isso devido ao fato de quando a pessoa dizer “-Vai Rô”, poder estar lembrando do outro Rodrigo. Ok, assumo, isso é meio loucura, mas é melhor seguir assim do que se Chamar Rodrigo e seu amor te confundir com alguém com o nome de Mauricio.

        Mas, como diz a música dos imortalizados “Mamonas assassinas”:

” O meu nome é Dejair, facinho de confundir com João do Caminhão”.

Rodrigo Bianchini